Imperador abdica ao trono do Japão e deixa para seu filho

O Japão vive um momento histórico: pela 1ª vez, em 202 anos, a troca do imperador se dará pela aposentadoria e não pela morte. Após 30 anos no poder, o imperador Akihito, 85 anos, passa o milenar Trono do Crisântemo para seu filho mais velho, príncipe Naruhito, 59 anos.
Em meados de 2016, Akihito manifestou seu desejo de deixar o cargo devido à idade avançada e a saúde debilitada.

No Japão, o imperador não governa — ele é o símbolo do Estado, conforme prevê a Constituição do país, em vigor desde 1947. O texto foi imposto aos japoneses pelos americanos durante a ocupação pós-Segunda Guerra.

A data da abdicação e o conjunto de disposições relativas a esse acontecimento foram decididos pelo governo, sem interferência da família imperial.

A passagem marca o fim da Era Heisei e o início de uma nova era, batizada de Reiwa (junção das palavras ordem e harmonia). A nova época tem início na 4ª feira (1º.mai).

A população japonesa se prepara para festividades históricas e praticamente inéditas. Desta vez, a nação não está em luto pelo falecimento de um soberano, como aconteceu nas sucessões anteriores — em 1989 (com a morte de Hirohito, também chamado de imperador Showa), em 1926 (com a morte do imperador Tasho), ou em 1912 (com a morte do imperador Meiji).

A programação dos eventos ligados a essa mudança se estenderá ao longo de meses, com ápice no outono do hemisfério norte, quando serão recebidos chefes de Estado e várias personalidades.

“Há várias etapas no cerimonial de sucessão que não são, de fato, especificadas em nenhuma lei”, explicou recentemente, o articulista e historiador Eiichi Miyashiro. “O sentido dessas cerimônias é difícil de compreender, e a maioria dos japoneses desconhece”, afirmou.

O casal imperial é muito respeitado, o que tem muito a ver com a relativa proximidade que ambos conseguiram estabelecer com a população. A imperatriz Michiko é alvo de uma “verdadeira adoração popular” e “o imperador soube conquistar afeição, por exemplo, ao apertar as mãos” de súditos, analisa Hideya Kawanishi, professor da Universidade de Nagoya.

Agora, como os recém-criados títulos de imperador e imperatriz eméritos, ambos cedem o Palácio Imperial a Naruhito e sua mulher, Masako, de 59 e 55 anos, respectivamente.

Naruhito deverá se tornar “símbolo do povo e da união da nação”, segundo a definição dada pela Constituição que entrou em vigor em 1947 e pela qual o imperador perdeu seu status de semidivindade.

Akihito trabalhou para dar consistência a esse papel, e Naruhito promete lhe dar continuidade. Nesse sentido, já manifestou que sua intenção é que os crimes cometidos pelo Japão durante a guerra não sejam silenciados para as gerações futuras. Também continuará a dar seu apoio às vítimas de desastres naturais.

O reinado de Akihito, que começou em 1989, foi marcado pela transição pós-Guerra Fria, estagnação econômica e vários desastres naturais, como o terremoto de Kobe, em 1995, e o acidente nuclear de Fukushima, em 2011.

Essas ocasiões foram momentos em que o imperador “fez de tudo” para mostrar que era um símbolo do povo japonês, avalia o professor Masato Ninomiya, da Faculdade de Direito da USP.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

Fechar Menu
1
Olá!!
Como posso ajudar?
Powered by